Meditação do dia 17 de Fevereiro

17-02-2024
Levar a mensagem, não o adicto

 

"Podemos analisá-lo, aconselhá-lo, podemos rezar por ele, tentar ser razoáveis, podemos ameaçá-lo, sová-lo, ou aprisioná-lo, mas ele não irá parar enquanto não quiser parar." 
Uma das verdades mais difíceis que temos de enfrentar na nossa recuperação talvez seja a de que somos tão impotentes perante a adicção de alguém quanto o somos perante a nossa própria. Podemos pensar que, porque tivemos um despertar espiritual nas nossas vidas, deveríamos ser capazes de persuadir outro adicto a encontrar recuperação. Mas há limites para aquilo que podemos fazer para ajudar outro adicto. Não podemos forçá-los a parar de jogar. Não podemos dar-lhes os resultados dos passos ou crescer por eles. Não podemos tirar-lhes a solidão e a dor. Não há nada que possamos dizer para convencer um adicto assustado a trocar a miséria familiar da adicção pela incerteza assustadora da recuperação. Não podemos entrar na pele de outras pessoas, mudar os seus objectivos, ou decidir o que é melhor para eles. No entanto, se nos recusarmos a tentar exercer esse poder sobre a adicção de alguém, podemos ajudá-lo. Eles podem crescer se os deixarmos enfrentar a realidade, por muito dolorosa que seja. Eles podem tornar-se mais produtivos, de acordo com o seu próprio conceito, desde que não tentemos fazê-lo por eles. Eles podem tornar-se a autoridade das suas próprias vidas, se nós formos apenas autoridades nas nossas. Se conseguirmos aceitar tudo isto, podemos tornar-nos aquilo que é suposto sermos - portadores da mensagem, não do adicto.
SÓ POR HOJE: Vou aceitar que sou impotente, não apenas perante a minha própria adicção, mas também perante a adicção de todos os outros. Vou levar a mensagem, não o adicto.