Meditação do dia 4 de Dezembro

04-12-2023

MEDITAÇÃO DO DIA

4 de dezembro

A vontade de Deus, não a nossa

"Sabemos que se rezarmos pela vontade de Deus receberemos aquilo que é melhor para nós, não importa o que pensemos."

Quando chegámos a jogadores anónimos, as nossas vozes interiores haviam-se tomado falíveis e autodestrutivas. A adição tinha deformado os nossos desejos, os nossos interesses, o nosso sentido do que era melhor para nós. É por isso que tem sido tão importante em recuperação desenvolvermos a nossa crença num Poder superior a nós mesmos, algo que pudesse providenciar uma orientação mais sã e mais fiável do que a nossa própria. Começámos a aprender a confiar nos cuidados desse Poder e a confiar na direção interior que ele nos dá. Tal como todos os processos de aprendizagem, é preciso prática para se "rezar apenas pelo conhecimento da vontade de Deus para nós e pelas forças para realizá-la". As atitudes egoístas e motivadas pelo ego que desenvolvemos ao longo da nossa adição não desaparecem de um dia para o outro. Essas atitudes poderão afetar a forma como rezamos. Podemos até ver-nos a rezar por algo como: "Alivia-me deste defeito de carácter para que eu possa fazer boa figura." Quanto mais diretos formos quanto às nossas ideias e aos nossos desejos, mais fácil será distinguir entre a nossa própria vontade e a vontade do nosso Poder Superior. "Só para tua informação, Deus meu," poderemos rezar, "eis aquilo que eu quero nesta situação. Mesmo assim, peço para que seja feita a tua vontade, e não a minha." Se fizermos isto, estaremos preparados para reconhecer e aceitar a orientação do nosso Poder Superior.

SÓ POR HOJE: Poder Superior, aprendi a confiar na tua orientação, mas ainda tenho as minhas ideias próprias sobre como quero viver a minha vida. Deixa-me partilhar essas ideias contigo, e depois deixa-me compreender com clareza a tua vontade para mim. No fim deixa que seja feita a tua vontade, e não a minha.